ataques automatizados ao ssh, que passwords

No ISC diary um artigo interessante sobre as passwords mais tentadas nos ataques automatizados ao SSH.

O top 10:

  1. 123456 = 167854 (1.09%)
  2. password = 113640 (0.74%)
  3. cacutza = 99492 (0.65%)
  4. __–_-__-_ = 79153 (0.51%)
  5. 123 = 63557 (0.41%)
  6. root = 61560 (0.4%)
  7. 1234 = 58103 (0.38%)
  8. 123456789 = 57270 (0.37%)
  9. 12345 = 53445 (0.35%)
  10. test = 52231 (0.34%)

Achei particularmente curiosas as #3 e #4.

Regresso às estradas de terra batida?

Fotografia : Wolfgang Staudt

Segundo um artigo do Wall Street Journal devido a dificuldades de financiamento vários condados dos Estados Unidos estão a retirar o asfalto de estradas secundárias e a devolve-las ao estatuto de estrada de terra batida, ou de gravilha para ser mais correcto.

Nalguns casos as estradas são simplesmente abandonadas à sua sorte esperando que a natureza e o uso façam o seu papel porque até o custo de trituração e compactação da camada de asfalto degradada excede a capacidade financeira.

Para além da enorme quebra de receitas devido à crise – para alguns condados a primeira quebra de receitas na história dos seus departamentos de estradas – os custos dos materiais usados na repavimentação também duplicaram ao longo dos últimos 10 anos.

É este! Toshiba Libretto W100

Um netbook com dois ecrãs no interior e sem teclado e que se abre exactamente da mesma forma como abrimos os livros.

Quando se quer um dos ecrãs transforma-se num teclado virtual como nos smartphones tipo iPhone podendo o computador ser usado como um vulgar netbook. É claro que a utilização desse tipo de teclado não tem agradado a todos os utilizadores, o que pode constituir um sério problema de usabilidade.

Também tenho sérias dúvidas sobre a autonomia da bateria, tendo que alimentar dois ecrãs, especialmente se esses ecrãs forem usados com a luminosidade no máximo para ser possível usar o Libretto com eBook Reader no exterior.

Agora é só esperar pela 2ª ou 3ª geração para a coisa estabilizar e funcionar em condições.

Mas se entretanto se sentirem extremamente generosos e perdulários….

Encontrado no engadget

No Windows, nada de novo

No Windows nada parece ter mudado, o Sistema Operativo continua a não conseguir exercer controlo sobre os processos a partir do momento em que estes são lançados, algo que eu pensava ter sido resolvido a partir do Vista.

Mas não, continuam os problemas em conseguir terminar processos que estejam bloqueados por mais que se carregue em Terminar no Gestor de Tarefas.

Não me parece digno de um “Sistema Operativo”.